Rio Grande
35 9 9725-8252
35 3521-3509

Pecuária intensiva e extensiva: entenda a diferença entre elas

Por Rio Grande 21/07/2021
Compartilhe

O Brasil é um dos países com maior rebanho bovino do mundo. Segundo a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), divulgada pelo IBGE e que inclui bovinos, suínos, aves e peixes, o país possui 214,7 milhões de cabeças de gado, sendo o segundo maior rebanho bovino do mundo.

Para aumentar os resultados, é importante conhecer muito bem a diferença entre pecuária intensiva e extensiva – e as vantagens e desvantagens que cada uma oferece. Siga a leitura e entenda melhor.

O que é pecuária intensiva?

A pecuária intensiva é a que envolve o sistema de confinamento, criando a maior quantidade possível de animais, na menor área. Essa é considerada a opção mais avançada de criação.

Os rebanhos são confinados usando processos modernos e tecnologia de ponta, por isso é importante dispor de mão de obra qualificada para a realização do monitoramento. O que se deseja com esse tipo de criação é aumentar a produtividade animal, aumentando a produção, a comercialização e o lucro.

O que é pecuária extensiva?

A pecuária extensiva consiste na criação de animais livres no pasto. Essa é uma das formas mais usadas na criação no Brasil. Para colocá-la em prática, é importante ter um grande espaço de pasto livre.

A principal vantagem é que a pecuária extensiva tem um custo menor do que a intensiva, afinal, o que se necessita é, basicamente, de grandes áreas de pasto, dos quais os animais conseguem retirar a maioria dos nutrientes necessários.

Na pecuária extensiva, depende-se basicamente do suprimento de nutrientes do pasto, restringindo-se a suplementação alimentar ao fornecimento de sal comum e/ou suplemento mineral. Na época de seca, a suplementação é feita apenas com suplemento aerado (de 20 a 30% de ureia na mistura mineral) ou proteinado de baixo consumo.

De acordo com dados da UFMG, a produtividade anual da pecuária extensiva é abaixo de 120 kg de peso vivo (menor que 4 arrobas por hectare/ano). As taxas de desmame são menores que 60%, com idade do abate dos machos e idade ao primeiro parto da matriz maiores que os 42 meses de idade.

Qual a diferença entre pecuária intensiva e extensiva?

Enquanto a pecuária intensiva é aquela feita por confinamento, a pecuária extensiva envolve a criação de rebanhos em grandes áreas, com os animais sendo deixados soltos para pastar. 

Hoje, a pecuária extensiva é a mais usada no país, especialmente para o gado de corte, já que esse rebanho tem como característica a necessidade de mais liberdade e espaço.

As diferenças entre as pecuárias também está relacionada à nutrição. No confinamento ou semiconfinamento, as estratégias nutricionais são mais avançadas e voltadas para impulsionar a produtividade do rebanho. Assim como também se usa métodos mais avançados de preparo do solo e cultivo de forrageiras, com a exploração desse recurso por um tempo maior.

Já na pecuária extensiva, a dieta é, principalmente, pasto e suplemento mineral. Nas épocas de seca, em que há maior escassez de forrageiras, é usado um suplemento mineral com um proteinado ou com ureia.

Pecuária Semiextensiva

Além dessas, ainda existe a pecuária semiextensiva que, na prática, consiste em uma mescla do sistema extensivo com técnicas da pecuária intensiva. O gado é criado solto, mas recebe um tratamento especial em relação à nutrição e ao melhoramento genético.

Comparado a pecuária extensiva tradicional, o método apresenta um cuidado maior com as pastagens e com o manejo do gado, garantindo que ele tenha acesso a um pasto de melhor qualidade nutricional durante o ano todo. A suplementação também envolve produtos que aumentam o desempenho animal.

Quais as vantagens e desvantagens de cada tipo de pecuária?

Para escolher entre a pecuária intensiva ou extensiva, é importante entender as vantagens e desvantagens que cada uma apresenta. Vamos ver em detalhes.

Pecuária Intensiva

Entre as vantagens da pecuária intensiva estão:

elevados índices de produtividade, em função das estratégias alimentares adotadas;

  • controle completo do rebanho, já que ele está confinado em uma pequena área e fica mais fácil controlar o animal e a sua nutrição, gerenciando melhor a saúde, o desenvolvimento e a produtividade;

  • seleção mais apurada do animal, devido às tecnologias usadas, permitindo o pecuarista separar os animais mais produtivos dos menos produtivos e também investir em melhoramento genético;

  • alimentação controlada e focada nos interesses do pecuarista. No caso do gado de leite, com a alimentação certa é possível aumentar a produção de leite, e no gado de corte, reduzir o tempo necessário para que o animal alcance o peso ideal antes do abate.

Porém, a principal desvantagem é o investimento mais alto, já que há maior tecnologia. Além disso, os custos também são mais altos porque é preciso contratar mão de obra especializada, infraestrutura e suplementação animal.

Pecuária extensiva

As principais vantagens da pecuária extensiva é:

  • investimento menor, pois a criação dos animais é feita em grandes pastos, nos quais os animais encontram a maior parte dos nutrientes que precisam para se desenvolver (embora a suplementação também seja indicada, pois a área usada para o rebanho pode ser pobre em minerais necessários à nutrição dos animais);

  • é ideal para o gado de corte, já que esse tipo de rebanho precisa de liberdade e espaço.

Contudo, entre os pontos negativos, estão:

  • maior dificuldade de monitoramento e controle de desenvolvimento dos animais, pois o gado fica mais espalhado, o que pode reduzir a eficiência do controle da produtividade e da lucratividade;

  • necessidade de terrenos amplos, já que a ocupação do ambiente pelo rebanho pode levar a problemas ambientais devido à degradação constante dos pastos; 

  • déficit alimentar, pois alguns pastos podem ter deficiência de minerais e nutrientes necessários para o desenvolvimento do rebanho. Nesse caso, é indicado usar uma suplementação para a criação de animais saudáveis (o que pode acabar encarecendo a produção).

Como deixar a pecuária extensiva mais produtiva?

Embora a pecuária extensiva seja o método mais usado no Brasil, nem sempre é o método mais produtivo. Separamos algumas dicas importantes que podem ajudar.

Manejo correto das pastagens e nutrição

O manejo correto das pastagens é um dos pilares da pecuária extensiva produtiva. O Brasil é o país que possui maior área de pastagem do planeta e a maioria da produção de carne no nosso país é feita sob pastagem.

Por todos esses pontos, o manejo correto das pastagens é essencial, evitando a proporção alta de pastagens degradadas. O principal erro envolve o plantio de espécies de capim incorretas, que não se adaptam ao solo e nem ao clima do local. Com isso, acaba-se perdendo a fertilidade do solo, o vigor das plantas e há o decréscimo do valor nutritivo das pastagens, o que leva a menor produtividade animal. 

O princípio básico do manejo adequado envolve o equilíbrio entre a taxa de lotação e a oferta de forragem (quantidade e qualidade). Com o manejo estratégico das pastagens, é possível manter a sustentabilidade do sistema de produção e aumentar sua produtividade.

Outras práticas indicadas são: uso de mais fertilizantes, rotação de animais, irrigação das pastagens e implantação de forrageiras anuais de inverno e verão.

No período de seca, a pouca disponibilidade de volumoso e a menor qualidade reduz os níveis nutricionais dos pastos e também a digestibilidade. Por isso, nessas épocas,é fundamental realizar a suplementação proteica, evitando que o animal perca massa.

A suplementação proteica visa corrigir as dietas desbalanceadas, melhorando o ganho de peso vivo, a conversão alimentar e reduzir os ciclos produtivos da pecuária de corte.

Outros fatores que influenciam são: suplementação mineral, área do cocho, localização dos cochos e frequência e horários de fornecimento.

Alguns princípios interessantes são:

  • rações ou suplementos proteinados para os bezerros em cocho privativo (creep-feeding);

  • suplementos proteinados de médio e alto consumo nas diferentes épocas do ano;

  • rações concentradas a pasto;

  • suplementação de inverno ou verão com forrageiras ou rações concentradas.

Com essas práticas, é possível chegar a uma produtividade anual maior que 180 kg de peso vivo (maior que 6 arrobas por hectare/ano), taxas de desmame maiores que 75%, com idade de abate dos machos e a idade ao primeiro parto da matriz variando entre 24 a 36 meses de idade, de acordo com os dados da UFMG.

Manejo reprodutivo e melhoramento genético

O manejo reprodutivo envolve todas as características ligadas à reprodução das fêmeas desde o desmame até o último parto e é muito importante para elevar os ganhos produtivos da fazenda.

O objetivo é fazer com que os animais do rebanho tenham mais características positivas. Isso pode ser feito com a escolha dos reprodutores, para que, ao longo do tempo, os animais do rebanho tenham como herança as características positivas desejadas em detrimento às negativas.

A inseminação artificial também pode ser usada, multiplicando os animais geneticamente melhorados e acelerando a transição de genes considerados superiores. 

Um modelo interessante é a inseminação artificial de tempo fixo (IATF) que permite que as prenhezes aconteçam no início da estação de monta, reduzindo o tempo de serviço e aumentando a eficiência reprodutiva do rebanho.

Com o protocolo, as fêmeas conseguem emprenhar e produzir bezerros mais cedo, o que impacta diretamente no resultado financeiro. Além disso, é possível reduzir o intervalo entre os partos, produzir 1 bezerro por vaca a cada ano, acompanhar melhor as matrizes, padronizar os lotes de bezerros e racionalizar a mão-de-obra.

Gestão intensificada

A profissionalização da gestão é ainda mais importante na pecuária extensiva. É essencial que haja um aumento dos pontos de controle e análises rígidas para avaliar melhor o processo produtivo.

Quando avaliamos os sistemas extensivos, vemos que os custos fixos (terra, rebanho e despesas gerais) por unidade produzida aumentam. Porém, os custos variáveis diminuem, pois muitos dos insumos de produção podem ser retirados das pastagens e alguns controles sanitários podem ser descartados.

Além disso, a pecuária extensiva permite um maior tempo de produção por animal, o que reduz o giro e atribui a margem por animal, fator preponderante para o retorno financeiro.

Porém, esses dados apenas são válidos para animais que conseguem extrair do pasto sua subsistência, como os bovinos. No caso de pecuária extensiva de aves e suínos, a gestão é muito importante para a precificação correta do produto final, assegurando a sustentabilidade financeira do negócio.

Como você pode notar, escolher entre a pecuária intensiva ou extensiva dependerá muito dos seus objetivos, das características da sua propriedade e também do seu rebanho, definindo a melhor técnica que se adeque aos seus objetivos e realidade.

Atualmente, existem diferentes tecnologias e possibilidades para melhorar a produtividade na pecuária extensiva, caso essa seja a sua escolha. 

Gostou deste conteúdo? Continue aprendendo: leia nosso post sobre bovinocultura de leite e veja quais são os 6 cuidados essenciais no manejo!

Receba nossos conteúdos

Veja Também

Suínos
24/04/2020 - Tendências em Suinocultura
Bovino de Corte
16/07/2020 - Quais os tipos de bovinos e como deve ser sua alimentação?
Bovino de Corte
25/08/2020 - Por que prezar pela formulação correta da ração?
Bovino de Leite
10/09/2020 - Rio Grande + Delaval: a parceria da produtividade leiteira!
Suínos
07/10/2020 - Como fazer a gestão da água na suinocultura industrial?
Bovino de Corte
15/10/2020 - Como emitir CND ITR?
Bovino de Leite
09/11/2020 - Bovinocultura de leite: 6 cuidados essenciais no manejo!
Suínos
14/12/2020 - Suinocultura no Brasil: 5 estados que são grandes produtores
Suínos
18/01/2021 - Rio Grande: Nutron e Rio Grande, a solução para os seus suínos.
Bovino de Corte
18/02/2021 - Qual é o agente causador da doença da vaca louca?
Bovino de Leite
10/03/2021 - Quantos dias por ano a vaca produz leite?
Suínos
02/04/2021 - Instrução Normativa estabelece boas práticas de manejo em granjas de suínos
Bovino de Leite
11/05/2021 - Mini vaca: guia completo com tudo o que você precisa saber!
Bovino de Corte
25/06/2021 - Gado de corte: as 8 melhores raças
Bovino de Leite
15/07/2021 - Desconto na conta de luz para produtores de leite: como funciona?
Bovino de Corte
25/08/2021 - Boi Angus: tudo o que você precisa saber sobre essa raça
Bovino de Corte
15/09/2021 - 3 ingredientes para ração de bovinos de corte
Bovino de Corte
13/10/2021 - Como fazer dimensionamento de piquetes para bovinos de corte?
Bovino de Corte
06/12/2021 - Aveia em grãos para bovinos: como e por que oferecer?
Suínos
13/01/2022 - 2022: O que esperar da Suinocultura no Brasil?
Bovino de Corte
01/02/2022 - Quais os principais alimentos utilizados na nutrição animal?
Bovino de Corte
03/03/2022 - Pecuária brasileira: os 5 tipos de pecuária existentes no Brasil
Bovino de Leite
01/04/2022 - Hipocalcemia em vaca: o que é e quais os sintomas?
Bovino de Corte
06/06/2022 - Qual o preço da soja para 2022?
ATENDIMENTO ÁGIL E COMPROMISSO COM O CLIENTE DESDE JUNHO 2012.
RECEBA NOVIDADES
EM SEU E-MAIL
Rodovia MG-050, nº 33 (Pista Lateral com sentido á Itaú de Minas)
Passos - MG
CEP.: 37.902-538
  • 35 3521-3509
  • 35 9 9725-8252
  • © 2016 RIO GRANDE NUTRIÇÃO E SAÚDE ANIMAL . TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.